01 jun 2020
Saiba onde conseguir crédito emergencial para se manter competitivo em meio à crise

Em meio ao incerto e ao desconhecido, cada um precisa fazer sua parte para conter os avanços da pandemia do novo coronavírus. Muitas medidas preventivas vêm sendo adotadas e modificadas conforme a indicação dos estudos de possíveis cenários projetados. O isolamento social é uma dessas medidas. Por isso, muitas empresas têm sido obrigadas ou aconselhadas a interromper ou reduzir temporariamente suas operações.

Entretanto, os custos fixos, que fazem parte das obrigações financeiras das companhias, continuam. O cenário é de muitas empresas com problemas em seus fluxos de caixa, e com dificuldade para cumprir seus compromissos financeiros. A situação pós-pandemia não será a mesma que estava sendo vivenciada antes de tudo chegar ao país, isso é certo. Contudo, para que a superação da crise se dê da melhor forma possível é preciso, desde já, elaborar e executar uma boa gestão financeira.

Para ajudar as empresas a se manterem competitivas mesmo em meio à crise, desde os pequenos até os grandes negócios, a Marcopolo preparou este artigo contendo informações que podem ajudar na gestão financeira das companhias e, consequentemente, na superação da crise.

Medidas emergenciais

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) está adotando medidas emergenciais socioeconômicas que têm por objetivo ajudar o país a enfrentar os efeitos econômicos e impactos sociais da pandemia do coronavírus. Estas medidas têm a ver com avaliação e aprovação do limite de crédito emergencial.

O limite emergencial nada mais é que do um serviço oferecido pelos bancos para aprovar compras em valores superiores ao limite disponível no cartão de crédito. Ao adaptar este conceito para o cenário trazido pela COVID-19, portanto, o BNDES está oferecendo às pessoas e às empresas a aprovação de crédito e auxílio emergencial com algumas facilidades, para que elas possam cumprir seus compromissos financeiros em meio a crise.

Confira quais são estas medidas, como elas podem ajudar e onde conseguí-las.

  • Suspensão de pagamentos

Uma das medidas é a possibilidade de concessão da suspensão temporária por prazo de até seis meses de amortizações de empréstimos contratados junto ao BNDES, nas modalidades direta e indireta às empresas afetadas pela crise – medida conhecida no mercado como standstill.

Nas operações diretas e mistas, o pedido de suspensão relativo ao subcréditos diretos deve ser encaminhado pelo cliente ao BNDES por meio do Portal.

Para operações indiretas não automáticas e subcréditos indiretos de operações mistas, a suspensão deverá ser negociada pelo cliente com o agente financeiro, que, caso concorde, deverá encaminhar o pedido de suspensão ao BNDES.

Por fim, em operações indiretas automáticas, a interrupção deverá também ser negociada com o agente financeiro que concedeu o financiamento. Neste caso, a autorização da suspensão dos pagamentos fica a critério do agente financeiro.

Fonte: BNDES

  • Mais capital de giro

Outra medida, voltada para micro, pequenas e médias empresas e para empresários individuais, se trata da expansão da oferta de capital de giro desta linha de crédito para negócios ou grupos econômicos (quando for o caso) com faturamento anual de até R$ 300 milhões até 30/09/2020, com limite de financiamento de até R$ 70 milhões por ano.

O objetivo é oferecer crédito rápido e flexível para empresas de todos os portes, amortecendo os impactos financeiros da pandemia sobre os empreendedores e contribuindo para a manutenção de empregos no Brasil. Pelo menos R$ 5 bilhões estarão disponíveis para apoiá-las.

Para solicitar este financiamento, é preciso procurar um agente financeiro credenciado do BNDES.

Fonte: BNDES

  • Programa Emergencial de Suporte a Empregos

Ainda outra medida se refere ao crédito emergencial para empresas com faturamento anual entre R$ 360 mil e R$ 10 milhões, exclusivamente para pagamento da folha de salários de funcionários.

Serão disponibilizados R$ 40 bilhões (R$ 20 bilhões por mês) para o financiamento de 2 meses da folha de pagamento de pequenas e médias empresas, sendo R$ 34 bilhões oriundos do Tesouro Nacional e R$ 6 bilhões de recursos dos bancos de varejo.

Todavia, a empresa que tomar o financiamento não poderá demitir, por dois meses, os empregados com salários financiados. A taxa de juros prefixada é de 3,75% ao ano (isenta de remuneração ao BNDES e aos bancos). O prazo é de 30 meses para pagamento, com carência de seis meses para cobrança de juros.

Fonte: BNDES

 

Conte com as empresas do grupo Marcopolo

O Banco Moneo é agente financeiro credenciado do BNDES, e está disponível para ajudar as empresas neste momento de crise. É possível contar com o banco para orientações e soluções por meio do seu canal de atendimento. Acesse o site clicando aqui.

É fundamental ressaltar que, mesmo tendo a oportunidade de usufruir das medidas emergenciais oferecidas pelo BNDES e pelo Banco Moneo, ainda é preciso saber como administrar as finanças da empresa. Principalmente agora, no cenário da pandemia, mas também fora dele.

O momento é desafiador, mas é importante ressaltar que ninguém está sozinho nessa luta contra o vírus, contra a crise e a favor da economia. A Marcopolo e todas as empresas do grupo estão disponíveis para ajudar nessa superação.

COMPARTILHAR

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

RECEBA NOSSAS

NOVIDADES

A Marcopolo segue as leis de LGPD. Veja nossa política

Coordenação Geral

Departamento de Marketing

marketing@marcopolo.com.br

Produção e edição de textos

Secco Consultoria de Comunicação

Sabrina Leme MTB-RS 15062

Projeto Gráfico

Vinicius Pauletti